Quem sou eu

Minha foto
Barueri, São Paulo, Brazil
Sou psicóloga e atendo no Centro Comercial de Alphaville - SP e pelo site da psicolink. Sou voluntária no projeto CineMaterna. Mais informaçoes clicar em "Contato".

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Emagrecer, Anabolizantes, Suplementos...


Quem quer emagrecer tem que fazê-lo prazerosamente. O objetivo é emagrecer e permanecer magro, o que requer mudança de hábito alimentar para toda a vida. É a qualidade e não a quantidade que define o prazer. Você vai comer o necessário e suficiente para saciar a fome Existem maneiras de fazer com que menos alimento resulte em mais prazer e em saciedade. Quando você come ansioso, nervoso, preocupado, não está comendo por prazer, mas para aliviar a tensão. Fome resolve-se com comida. Ansiedade, ócio, preocupação, tristeza etc., não.
A ansiedade é um vilão, que na dieta para emagrecer deverá ser identificado, o que é feito individualmente, cada pessoa tem tipos diferentes de situações que provocam ansiedade e estabelece um tipo particular de conexão ansiedade - comida. Esta ligação deverá ser desfeita.
Muitas pessoas sabotam a própria dieta. Vai tudo bem. Acontece um ataque de comer e adeus dieta. Muita comida é ingerida em pouco tempo, na maioria das vezes sem prazer algum, movidas pela ansiedade. Identificar os primeiros indícios do impulso de comer e evitá-lo deverá ser um dos objetivos principais da abordagem psicológica.
Muitas pessoas têm um beneficio mantendo-se gordas e, o que é pior, não tem consciência disso. Alguns justificam outros problemas seus mantendo-se gordos. Pessoas tímidas, com dificuldade de relacionamento social, pessoal, pessoas que não se relacionam com o sexo oposto, que tem dificuldades sexuais podem esconder-se atrás da obesidade, erguendo uma autêntica barreira entre elas e o mundo. Se estes e outros fatores que mantém uma obesidade não forem tratados o candidato a emagrecimento mais cedo ou mais tarde inviabilizará seus mais sinceros propósitos!
Engordando ou mantendo-se gorda a pessoa restringe outros prazeres. Evita reuniões sociais, contatos, situações de afeto, esportes, vida sexual etc.
Sabe o que acontece? A comida cresce como principal e talvez única fonte de gratificação. A pessoa engorda mais, fecha-se mais na comida e está formado o círculo vicioso. Identificá-lo pode ser um trabalho longo, mas necessário para o bem estar.

Anabolizantes
Algumas pessoas fazem uso dos esteróides anabolizantes para melhorar o desempenho atlético e/ou aparência física.
Efeitos dos anabolizantes no cérebro
Os efeitos agudos dos esteróides anabolizantes no cérebro são bem diferentes dos decorrentes de abuso de outras drogas. A principal diferença é que os esteróides anabolizantes não produzem euforia, significando que não engatilham a elevação rápida do neurotransmissor dopamina. Porém, o uso em longo prazo de esteróides anabolizantes pode ter impacto em substância químicas do cérebro, afetando o humor e comportamento. Relatos sugerem que esteróides anabolizantes podem contribuir para problemas psiquiátricos. Pesquisas mostram que o abuso no uso de anabolizantes pode levar a agressão e outros efeitos adversos. Alterações extremas de humor podem ocorrer, incluindo sintomas de mania que poderiam ocasionar violência. Pesquisadores também observaram que muitos usuários de esteróides anabolizantes sofrem de ciúme patológico, irritabilidade extrema, delírios, e julgamento prejudicado pela sensação de invencibilidade.
Efeito potencial de dependência dos anabolizantes
Estudos em animais indicaram que os anabolizantes têm potencial de dependência, como outras drogas viciantes. Essa propriedade é mais difícil de demonstrar em humanos, porém o potencial de dependência é consistente com a continuação do uso apesar dos efeitos negativos físicos e nas relações sociais. Pessoas que usaram esteróides anabolizantes passaram por sintomas de abstinência quando pararam de tomar a droga. Esses sintomas de abstinência incluem oscilações de humor, fadiga, impaciência, perda de apetite, insônia, redução do desejo sexual e vontade forte de voltar a usar os anabolizantes. Um dos sintomas mais perigosos de abstinência é a depressão, pois ela pode levar ao suicídio.
Efeitos adversos dos anabolizantes na saúde
O uso de esteróides anabolizantes pode ter como efeitos problemas de saúde sérios e até irreversíveis. Alguns desses efeitos mais perigosos incluem dano ao fígado, icterícia, retenção de fluidos, pressão alta, elevação do colesterol LDL (colesterol ruim) e diminuição do colesterol HDL (colesterol bom). Outros efeitos dos anabolizantes que foram relatados incluem insuficiência renal, acne severa e tremores.
Adicionalmente, há alguns efeitos dos anabolizantes que são específicos para o sexo e idade da pessoa, como:
Homens – diminuição dos testículos, redução da quantidade de esperma, infertilidade, calvície, desenvolvimento de seios, elevação no risco de câncer de próstata.
Mulheres - Crescimento de pêlo facial, calvície de padrão masculino, alteração ou interrupção do ciclo menstrual, crescimento do clitóris, voz grossa.
Adolescentes - crescimento interrompido devido à maturação esqueletal prematura e aceleração das mudanças da puberdade.
Suplementos Alimentares
São vários, por isso a necessidade de avaliação por profissional competente, assim tentarei sintetizar algumas informações:
O sene: tem efeito laxativo, dando rapidez ao trânsito intestinal, porém em médio prazo, prejudica as vilosidades intestinais causando obstipação;
Hoodia Gordoni: usado para reduzir a fome (não há comprovação disso) está proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por falta de legalização no Ministério da Saúde;
Chá verde: Esse famoso chá tem uma ação lipolítica, antioxidante, desintoxicante e facilitadora da digestão. Estudos feitos em seres humanos, extratos de chá verde estimularam o sistema nervoso simpático, aumentaram o gasto energético e a oxidação de gorduras, apesar de pequena ou nenhuma redução do peso. É contra-indicado para gestantes, pessoas hipertensas ou que sofram de gastrite.
Cafeína: Encontrada em grãos de café e de cacau, chás, refrigerantes tipo cola e chocolate. Alguns estudos mostram um discreto efeito de elevar o metabolismo, mas em estudo específico, não foi demonstrada nenhuma diferença na perda de peso de pessoas obesas.
Crômo: é um mineral oligo elemento, que vem sendo utilizado como suplemento alimentar. Promete melhorar a queima de gordura atuando na aceleração da perda de peso. Ajuda a manter os níveis normais de glicemia. Estudos mostraram pequena redução de peso, mas sem significado clínico. O uso contínuo tem provocado efeitos adversos, como a ocorrência de lesões renais.
Capsaicina: composto químico presente na pimenta tipo chili. Estudos em humanos mostraram aumento do gasto metabólico em repouso e redução da ingestão alimentar. Não tem comprovação científica em relação à perda de peso.
Acido Linoléico Conjugado (CLA): é um suplemento alimentar derivado da gordura encontrada no ovo, nos laticínios e na carne. Tem um suposto efeito de aumentar a utilização da gordura pelo organismo, promovendo o emagrecimento e o aumento da massa magra. Mas ainda não há comprovação científica.
Quitossana: fitoterápico que tem o suposto efeito de atuar no controle do excesso de gordura da dieta. Sua estrutura química é semelhante ao da celulose de fibras dietéticas. Estudos sugeriram que ela reduz a absorção intestinal das gorduras. Porém, não foram observados efeitos da quitossana na perda de peso, nem a presença de gordura nas fezes dos indivíduos testados. Por outro lado, alguns efeitos adversos foram constatados, entre eles está a obstipação intestinal.
Efedrina: possui a mesma estrutura química das anfetaminas e seus efeitos similares como: aumento dos batimentos cardíacos e pressão arterial. Combinando-se efedrina, cafeína e aspirina prolonga-se a ação da efedrina, como também seus efeitos adversos e complicações severas, com efeitos colaterais como: infarto do miocárdio, derrame, convulsão, psicose, arritmias e morte
Androstediona: É um “pró-hormônio” esteróide que é convertido em testosterona e, pelas informações dos laboratórios, esta aumentaria a massa muscular e a força, mas estes efeitos não foram confirmados.  Observou-se queda dos níveis de HDL, o colesterol bom, e aumento nos níveis séricos de estrógeno, causando evidências de consequências adversas ao sistema circulatório com o uso prolongado, ou com altas doses desta suplementação.
Suplementos protéicos: É uma prática comum entre praticantes de musculação, já que o treinamento de força resulta em uma necessidade diária maior de proteínas. Entretanto seu uso abusivo é capaz de induzir que o excesso de aminoácidos venha a se converter em energia que por sua vez se traduzirá em níveis elevados de Cetose, acidez e amônia que podem levar, em longo prazo, a sobrecarga renal, desidratação e problemas cardiovasculares.
Por isso não se pode prescindir de uma avaliação nutricional para se tomar suplementos.

Nenhum comentário: