Quem sou eu

Minha foto
Barueri, São Paulo, Brazil
Sou psicóloga e atendo no Centro Comercial de Alphaville - SP e pelo site da psicolink. Sou voluntária no projeto CineMaterna. Mais informaçoes clicar em "Contato".

segunda-feira, 28 de março de 2011

Janela da Alma

Em minha última aula de especialização, assistimos e comentamos o filme 'Janela da Alma', fala e retrata sobre os problemas da visão. As pessoas que dão depoimento, mostram como adquiriram capacidades subjetivas, exatamente por terem "falhas", na visão. Para mim é um filme que foi além e consegue penetrar a alma através da janela individual do ser.
Segue um comentário que encontrei na net e achei pertinente, próximo do que apreendi.


Janela da Alma
 Frase de Leonardo Da Vinci "O olho é janela da alma, o espelho do mundo" é o ponto de partida e o que norteia de fato o excelente documentário de Walter Carvalho e João Jardim. O filme trata a questão do olhar, do mundo imagético, sob perspectivas diferentes, através do depoimento de personalidades que apresentam alguma deficiência visual, que vai desde a miopia à cegueira total.
O filme aborda a visão e suas limitações, apresentando-a como uma mediação, baseada nos nossos conceitos e percepções, realizadas entre o olhar e o objeto, o diálogo da subjetividade de cada um com o real, no qual criamos várias formas de ver o real. Como disse a cineasta franco-belga, Agnes Varda no filme, a visão é alterada por sentimentos, sentimentos fortes. Já em seu depoimento, o cineasta Win Wenders fala de sua experiência com as lentes de contato, em que sentiu um grande incômodo, pela ausência do enquadramento proporcionado pela armação de seus óculos.
A relação linguagem x imagem nos é mostrada não como coisas distintas que se comunicam de alguma forma, mas sim com uma forte interdependência entre ambas, não a podemos tratar isoladamente, pois possuem uma relação intrínseca de pertencimento. Separá-las consistiria em fragmentar a essência e o significado de cada uma.
A sociedade contemporânea proporciona e impõe um ritmo frenético e incessante de imagens e informações, no qual temos acesso a tudo em excesso e consequentemente nada temos, pois imagem em excesso acaba implicando em uma dificuldade para nós assimilarmos e emocionarmos com elas. Como é dito no documentário, a maioria das imagens que vemos não nos diz nada, mas sim tenta nos vender algo, essa á lógica do bombardeio informacional diário.
Há uma superexposição de fatos e imagens e acabamos sem saber o que de fato isso significa. O filme faz com que tenhamos uma visão diferente, que vai além do que nos é mostrado, evidenciando não só o que nós vemos e como vemos, mas também de que forma enxergamos a nós próprios.
O documentário destoa da maioria, apresenta um tom levemente filosófico-poético, alcançando a dramaticidade e a comédia em determinados momentos, a produção de Walter Carvalho e João Jardim é bastante sensível e inteligente, explanando sobre as diferentes possibilidades de vermos o mundo, seja ela consciente, inconsciente ou imposta por alguma limitação física. Ele encerra-se através da imagem de um parto, que é quando o mundo surge diante dos olhos do bebê, o mundo real lhe é apresentado.

http://artividades.blogspot.com
Caíque Gonçalves
Publicado no Recanto das Letras em 08/04/2008 Código do texto: T937262

Nenhum comentário: